quinta-feira, 10 de outubro de 2013

A Regra Primitiva do Templários - Versão francesa (76 artigos)


Esta tradução da original, ou primitiva, Regra do Templários está baseado na ediçãode 1886 de Henri de Curzon, iuLa Régle du Temple como um Manual Militar, ou Como Entregar uma Carga de Cavalaria.. Representa a Regra dada aos jovens Cavaleiros do Templo pelo Conselho de Troyes, em 1129, embora irmão deva ser esquecido que a Ordem tenha existido durante vários anos e tenha construído suas próprias tradições e costumes antes do aparecimento de Hugues de Payens ao Conselho de Troyes. Para uma extensão considerável, então, a Regra Primitiva é baseada em práticas existentes. (Upton-Ward, pág. 11)

Aqui começa o prólogo para a Regra de Templo:

A Regra Templária de Bernardo de Clairvaux

1. Nós falamos primeiramente a todos aqueles que secretamente menosprezam o próprio testamento e desejam com um coração puro servir o rei soberano como um Cavaleiro e com cuidado estudioso desejam usar, e usar permanentemente, a armadura muito nobre de obediência. E então nós repreendemos você, você quem até agora conduziu as vidas de Cavaleiros seculares, no qual Jesus Cristo não era a causa, mas que você só abraçou por favores humanos, para seguir aqueles quem Deus escolheu da massa de perdição e quem ele ordenou através de sua graciosa clemência para defender a Santa Igreja, e que você acelere para se unir a eles para sempre.

2. Acima de todas as coisas, seja quem for um Cavaleiro de Cristo, escolhendo tais ordens santas, você em sua profissão de fé tem que unir pura diligência e firme perseverança, que é tão merecedor e tão santo, e é conhecido por ser tão nobre, que se é preservado imaculado para sempre, você merecerá manter companhia com os mártires que deram as almas por Jesus Cristo. Nesta ordem religiosa floresceu e revitalizou a ordem da Cavalaria. Esta Cavalaria menosprezou o amor de justiça que constitui seus deveres e não fez o que deveria, que é defenda os pobres, viúvas, os órfãos e igrejas, mas se esforçou para saquear, despojar e matar. Deus trabalha bem conosco e nosso salvador Jesus Cristo; Ele enviou seus amigos da Cidade Santa de Jerusalém para as marchas da França e Borgonha, que para nossa salvação e a expansão da verdadeira fé não deixam de oferecer as suas almas a Deus, um sacrifício bem-vindo.

3. Então nós, em toda a alegria e toda a fraternidade, a pedido do Mestre Hugues de Payens, por quem a Cavalaria acima mencionada foi fundada pela graça do Espírito Santo, ajuntou a Troyes de províncias distantes além das montanhas no banquete de meu senhor St Hilary, no ano da encarnação de Jesus Cristo 1128, no nono ano depois de fundar a supracitada Cavalaria. E a conduta e começo da Ordem de Cavalaria que nós tivemos notícias em capítulo comum dos lábios do Mestre acima mencionado, Irmão Hugues de Payens; e de acordo com as limitações de nossa compreensão o que parecia a nós bom e benéfico nós louvamos, e o que parecia errado nós nos esquivamos.

4. E tudo aquilo que aconteceu àquele conselho não pode ser contado nem pode ser recontado; e de forma que isto não deveria ser levado levianamente por nós, mas considerado em sábia prudência, nós deixamos isto para a critério do nosso honorável lorde padre Honorius e do nobre patriarca de Jerusalém, Stephen que conheceu os assuntos do Oriente e os Pobres Cavaleiros de Cristo, pelo conselho dos comuns nós louvamos isto por unanimidade. Embora um grande número de padres religiosos que ajuntaram àquele conselho louvaram a autoridade de nossas palavras, não obstante nós não deveríamos passar em silêncio as verdadeiras orações e juízos que eles pronunciaram.

5. Então eu, Jean Michel, para quem foi confiado este ofício divino, pela graça de Deus servi como o humilde escriturário do documento presente por ordem do conselho e do venerável padre Bernard, abade de Clairvaux. Os Nomes dos Padres que Assistiram o Conselho

6. O primeiro era Matthew, bispo de Albano, pela graça de Deus legada à Santa Igreja de Roma; Renaud, arcebispo de Reims; Henri, arcebispo de Sens; e então seus sufragistas: Gocelin, bispo de Soissons; o bispo de Paris; o bispo de Troyes; o bispo de Orlèans; o bispo de Auxerre; o bispo de Meaux; o bispo de Chalons; o bispo de Laon; o bispo de Beauvais; o abade de Vèzelay que foi feito o arcebispo de Lyon e legado da Igreja de Roma depois; o abade de Cîteaux; o abade de Pontigny; o abade de Trois-Fontaines; o abade de St Denis de Reims; o abade de St-Etienne de Dijon; o abade de Molesmes; o acima nominado Bernard, abade de Clairvaux: de quem palavras o acima mencionado louvou liberalmente. Também presente estava o mestre Aubri de Reims; mestre Fulcher e muitos outros que tornaria tedioso o registro. E dos outros que não foram listados isto parece vantajoso fornecer garantias neste assunto, que eles são amantes de verdade: eles são o conde Theobald; o conde de Nevers; Andrè de Baudemant. Estes estavam no conselho e agiram de tal uma maneira que através de perfeito e estudioso cuidado que eles procuraram descobrir o que era bom e desaprovaram o que não parecia certo.

7. E também presente estava o Irmão Hugues de Payens, Mestre da Cavalaria, com alguns dos seus irmãos quem trouxe consigo. Eles eram Irmão Roland, Irmão Godefroy, e Irmão Geoffroi Bisot, Irmão Payen de Montdidier, Irmão Archambaut de Saint-Amand. O mesmo Mestre Hugues com os seus seguidores relataram aos padres supra nomeados os costumes e observâncias dos seus humildes começos e do que um disse: Ego principium qui et loquor vobis, que quer dizer: ‚Eu que falo a você sou o começo,™ de acordo com a memória de algum. 8. Agradou o conselho dos comuns que as deliberações que lá forem feitas e a consideração das Escrituras Santas que foram examinadas diligentemente com a sabedoria de meu senhor Honorius, Papa da Santa Igreja de Roma, e do patriarca de Jerusalém e com o consentimento do capítulo, junto com o acordo dos Pobres Cavaleiros de Cristo do Templo que está em Jerusalém, deveriam ser postas por escrito e não deveria ser esquecido, persistentemente mantiveram de forma que por uma vida vertical a pessoa possa vir ao criador; a compaixão da qual o Senhor [é mais doce] que mel quando comparado com Deus; cuja clemência se assemelha a um, e nos permite vir a Ele quem eles desejam servir. Per infinita seculorum secula. Amen. Aqui Começa a Regra da Pobre Cavalaria do Templo

9. Vocês que renunciam seus próprios testamentos, e vocês outros que servem o rei soberano com cavalos e braços, pela salvação de suas almas, por um período fixo, esforça-se em todo lugar com puro desejo de ouvir matinas e o serviço inteiro de acordo com a lei canônica e os costumes dos mestres regulares da Cidade Santa de Jerusalém. Vocês irmãos veneráveis, similarmente Deus está com vocês, se vocês prometerem desprezar o mundo enganoso em perpétuo amor por Deus, e desprezar as tentações de seu corpo: sustentado pelo alimento de Deus e mergulhado e instruído nas ordens de Nosso Senhor, ao término do ofício divino, que nenhum deveria temer entrar em batalha se ele daqui em diante usar o tonsurado.

10. Mas se qualquer irmão for enviado pelo trabalho da casa e do Cristianismo no Oriente Š algo que nós acreditamos acontecerá freqüentemente Š e não pode ouvir o ofício divino, ele deveria dizer em vez de matinas treze Pais nossos; sete para cada hora e nove para as vésperas. E junto todos nós ordenamos que ele faça assim. Mas aqueles que forem enviados por tal razão e não puderem vir a hora estabelecida para ouvir o ofício divino, se possível as horas fixas não deveriam ser omitidas, em ordem a render a Deus seu débito.A maneira na qual deveriam ser recebidos os Irmãos.

11. Se qualquer Cavaleiro secular, ou qualquer outro homem, deseja deixar a massa de perdição e abandonar aquela vida secular e escolhe sua vida comunal, não consinta recebê-lo imediatamente, pois assim disse meu senhor São Paulo: Probate spiritus si ex sunt de Deo. Quer dizer: Teste a alma para ver se vem de Deus. Ainda, se a companhia dos irmãos será concedida a ele, deixe a Regra ser lida a ele, e se ele desejar obedecer estudiosamente as ordens da Regra, e se agrada o Mestre e os irmãos recebê-lo, deixe-lhe revelar o seu desejo perante todos os irmãos juntos em capítulo e lhe deixe fazer o pedido com um coração puro.

Em Cavaleiros Excomungados

12. Onde você souber que Cavaleiros excomungado se reúnem, lá nós comandamos vocêa ir; e se qualquer um deseja se unir a ordem da Cavalaria de regiões ultramarinas, você não deve considerar lucro mundano tanto quanto a salvação eterna da alma dele. Nós ordenamos que ele seja recebido contanto que ele compareça ante o bispo daquela província e faz a sua intenção conhecida por ele. E quando o bispo ouviu e o absolveu, ele deveria o enviar ao Mestre e aos irmãos do Templo, e se a vida dele é honrada e merecedora de suas companhias, se ele parece bom ao Mestre e irmãos, deixe-o ser recebido misericordiosamente; e se ele deva morrer entretanto, pela angústia e tormenta que tenha sofrido, deixe ser dado a ele todos os benefícios da fraternidade devido a qualquer um dos Pobres Cavaleiros do Templo.

13. Sob nenhuma outra circunstância os irmãos do Templo deveriam compartilhar a companhia de um homem obviamente excomungado, nem levar as suas próprias coisas; e isto nós proibimos fortemente porque seria uma coisa temerosa se eles fossem excomungados como ele. Mas se só lhe proíbem que ouça o ofício divino, é certamente possível manter companhia com ele e levar a propriedade dele para a caridade com a permissão do comandante dele. Em não receber crianças

14. Embora a regra dos santos padres permita a recepção de crianças em uma vida religiosa, nós não lhe aconselhamos que faça isto. Porque ele que deseja dar sua criança eternamente à ordem da Cavalaria deveria o trazer até tal tempo que ele possa ser capaz de suportar armas com vigor, e libertar a terra dos inimigos de Jesus Cristo. Então deixe a mãe e o pai o conduzirem para a casa e que façam o pedido conhecido aos irmãos; e é muito melhor se ele não faz o voto quando for uma criança, mas quando for mais velho, e é melhor se não lamentar do que se lamentar disto. E daqui em diante deixe-lhe ser testado de acordo à sabedoria do Mestre e dos irmãos e de acordo com a honestidade da vida do quem pede ser admitido à fraternidade. Em Irmãos que se levantam muito longe na capela

15. Foi tomado conhecimento por nós e nós ouvimos isto de verdadeiras testemunhas que imoderadamente e sem restrição que vocês ouvem o serviço divino ainda de pé. Nós não ordenamos que você se comporte desta maneira, pelo contrário nós desaprovamos disto. Mas nós comandamos que tanto o forte como também o fraco, para evitar um espalhafato, deveriam cantar o salmo que é chamado Venite, com o invitatório e o hino sentando-se, e dizer as suas orações em silêncio, suavemente e não ruidosamente, de forma que o proclamante não perturbe as orações dos outros irmãos.

16. Mas ao término dos salmos, quando o Glória Pai é cantado, por reverência à Santa Trindade, você subirá e se curvará para o altar, enquanto o fraco e doente inclinará sua cabeça. Assim nós comandamos; e quando a explicação dos Evangelhos é lida, e o Te deum laudamus é cantado, e enquanto todos o louvores são entoados, e as matinas estão acabadas, você estará em pé. Nós lhe comandamos igualmente que esteja em seus pés nos matinas de tal maneira e em todas as horas de Nossa Senhora.No vestido dos Irmãos

17. Nós comandamos que os hábitos de todos os irmãos sempre deveriam ser de uma cor, que é branca ou negra ou marrom. E nós concedemos a todos os irmãos Cavaleiros no inverno e no verão se possível, capotes brancos; e a nenhum que não pertença aos Cavaleiros de Cristo acima mencionados é permitido ter um capote branco, de forma que esses que abandonaram a vida de escuridão um ao outro reconhecerá como sendo reconciliado ao seu criador pelo sinal dos hábitos brancos: que significa pureza e castidade completa. Castidade é certeza de coração e sanidade do corpo. Para qualquer irmão que não fizer o voto de castidade não poderá vir ao descanso eterno nem poderá ver Deus, pela promessa do apóstolo que disse,: Pacem sectamini cum omnibus et castimoniam sine qua nemo Deum videbit. Quer dizer: ‚Se esforça para trazer paz para todos, mantenha-se puro, sem o qual nenhum pode ver Deus.

18. Mas estas batas devem estar sem qualquer vestuário elegante e sem qualquer demonstração de orgulho. E assim nós ordenamos que nenhum irmão terá um pedaço de pele nas suas roupas, nem qualquer outra coisa que pertença aos usos docorpo, nem mesmo uma manta a menos que seja da lã de cordeiro ou a lã de ovelha.Nós comandamos a todos para ter o mesmo, de forma que cada um pode se vestir e se despir, e calçar e descalçar suas as botas facilmente. E o negociante de tecidos ou um que esteja no lugar dele deveriam refletir estudiosamente e se preocupar em ter a recompensa de Deus em todas as coisas acima mencionadas, de forma que os olhos do invejoso e mal intencionado não possam observar que as batas são muito longas ou muito curtas; mas ele deveria distribuí-los de forma que esses que os têm que usar os ajustem, de acordo com o tamanho de cada um.

19. E se qualquer irmão fora de um sentimento de orgulho ou arrogância desejar ter como sua dívida um hábito melhor e melhor, deixe ser dado a ele o pior. E esses que recebem batas novas têm que devolver o velho imediatamente, para ser dado aos escudeiros e sargentos e freqüentemente para o pobres, de acordo com o que parece bom ao que preenche o ofício.

Em Camisas

20. Entre as outras coisas, nós misericordiosamente regulamentamos que, por causa da grande intensidade de calor que existe no Oriente, da Páscoa até Todos os Santos, por compaixão e de nenhuma maneira como um direito, uma camisa de linho será dada a qualquer irmão que desejar usá-la.

Em linho de cama

21. Nós comandamos por consentimento comum que cada homem terá roupas e linho de cama de acordo com o critério do Mestre. É nossa intenção que aparte de um colchão, uma almofada e uma manta deveriam ser suficientes para cada um; e ao que faltar um destes pode ter um tapete, e ele pode usar uma manta de linho a qualquer hora, que quer dizer com uma pilha suave. E eles dormirão vestidos em camisa e calções e sapatos e cintos a toda hora, e aonde eles dormirem será iluminado até de manhã. E o negociante de tecidos deve assegurar que os irmãos são tão bem tonsurados que eles podem ser examinados de frente e de costas; e nós lhe comandamos que adira firmemente a esta mesma conduta com respeito a barbas e bigodes, de forma que nenhum excesso possa ser notado nos seus corpos. Em sapatos e laços apontados

22. Nós proibimos sapatos e laços apontados e proibimos qualquer irmão de usá-los; nem nós permitimos a esses que servem a casa por um período fixo; mais nós lhes proibimos que tenham sapatos com pontas ou laços de forma alguma. Porque é manifesto e bem conhecido que estas coisas abomináveis pertencem aos pagãos. Nem eles deveriam usar o cabelo ou os hábitos deles muito tempo. Para esses que servem o criador soberano deva necessariamente nascer com e sem pela promessa do próprio Deus que disse: Estote mundi quia ego mundus sum. Quer dizer: "Nasce como eu nasço".

Como eles deveriam comer

23. No palácio, ou no que deva ser chamado de refeitório, eles deveriam comer juntos. Mas se você está em falta de qualquer coisa porque você não é acostumado aos sinais usados por outros homens da religião, quieta e reservadamente você deveria pedir o que você precisa a mesa, com toda a humildade e submissão. Para o que o apóstolo disse: Manduca panem tuum cum silentio. Quer dizer: "Coma seu pão em silêncio". E o salmista: Posui ori meo custodiam. Quer dizer: "Eu segurei minha língua". Que é, "eu pensei que minha língua me fracassaria". Que é, "eu segurei minha língua de forma que eu deveria falar nenhuma doença".

Na leitura da lição

24. Sempre, ao jantar e ceia do convento, deixe a Sagrada Escritura ser lida, se possível. Se nós amamos Deus e todas Suas santas palavras e seus santos mandamentos, nós deveríamos desejar escutar atentamente; o leitor da lição lhe pedirá que mantenha silêncio antes que comece a ler.

Em tigelas e bebendo vasilhas

25. Por causa da escassez de tigelas, os irmãos comerão em pares, de forma que a pessoa pode estudar o outro mais de perto, e de forma que severidade nem abstinência de segredo seja introduzida na refeição comunal. E só parece a nós que cada irmão deveria ter a mesma ração de vinho na sua xícara.No comer de carne

26. Deveria ser suficiente para vocês comer carne três vezes por semana, excluindo a Natal, Todos os Santos, a Assunção e o banquete dos doze apóstolos. Porque é entendido que o costume de comer carne corrompe o corpo. Mas se um jejum quando deve ser renunciada a carne cai em uma terça-feira, que no próximo dia seja dado aos irmãos em abundância. E nos domingos todos os irmãos do Templo, serão dados aos capelães e aos escreventes duas refeições de carne em honra da santa ressurreição de Jesus Cristo. E o resto da gente da casa, quer dizer os escudeiros e sargentos, estará contente com uma refeição e será grato a Deus por isto.

Em refeições de dias de semana

27. Nos outros dias da semana, que é segunda-feira, quarta-feira e até mesmo sábados, os irmãos terão duas ou três refeições de legumes ou outros pratos comidos com pão; e nós pretendemos que isto seja suficiente e comandamos que adiram. Porque se um não come uma refeição o outro comerá.

Em Comidas de sexta-feira

28. Nas sextas-feiras, deixe carne de quaresma ser dada na comunhão à congregação inteira, fora de reverência para a paixão de Jesus Cristo; e você jejuará de Todos os Santos até a Páscoa, com exceção do Dia de Natal, a Assunção e o banquete do doze apóstolos. Mas não serão obrigados os irmãos fracos e doentes a isto. Da Páscoa a Todos os Santos eles podem comer duas vezes, contanto que não haja nenhum jejum geral.

Em dizer a Graça

29. Sempre depois de todo jantar e ceia todos os irmãos deveriam dar graças a Deus em silêncio, se a igreja está perto do palácio onde eles comem, e se não é perto, no próprio lugar. Com um coração humilde eles deveriam dar graças a Jesus Cristo que é o Senhor Provedor. Deixe os restos dos pães partidos ser dado aos pobres e os inteiros serem mantidos. Embora a recompensa do pobre, que é o reino de céu, deve ser dado sem vacilação, e a fé Cristã o reconhece você indubitavelmente entre eles, nós ordenamos que uma décima parte do pão seja dada a seu Hospitaleiro.

Em tomar a colação

30. Quando luz do dia enfraquece e a noite cai escute o sinal do sino ou a chamada a orações, de acordo com os costumes do país, e todos vão cumprir o estipulado. Mas nós lhe comandamos primeiro que tome a colação; embora nós coloquemos esta leve refeição debaixo do arbítrio e critério do Mestre. Quando ele quer água e quando ele ordena, fora de clemência, vinho diluído, deixe ser dado sensivelmente. Verdadeiramente, não deveria ser levado ao excesso,mas em moderação. Salomão disse: Quia vinum facit apostatare sapientes. Quequer dizer que vinho corrompe a sapiência.

Em manter silêncio31. Quando os irmãos saem do estipulado eles não têm nenhuma permissão para falar abertamente exceto em uma emergência. Mas deixe cada um ir quietamente para sua cama e em silêncio, e se precisa falar ao seu escudeiro, ele deveria dizer o que tem que dizer suave e quietamente. Mas se por casualidade, ao saírem do estipulado, a Cavalaria ou a casa tem um problema sério que deva ser resolvido antes da manhã, nós entendemos que o Mestre ou uma porção dos irmãos mais velhos que governam a Ordem sob o Mestre, podem falar adequadamente. E por isto nós comandamos que deveria ser feito de tal forma.

32. Porque é escrito: In multiloquio non effugies peccatum. Quer dizer que falar muito não é sem pecado. E em outro lugar: Mors et vita in manibus lingue. Quer dizer: "Vida e morte estão no poder da língua". E durante aquela conversação nós proibimos palavras inativas e estouros de riso completamente. E se qualquer coisa é dita durante que conversação que não deveria ser dita, quando você for para cama nós lhe comandamos que diga a oração de Pater Noster em toda a humildade e pura devoção.

Em Irmãos doentes

33. Podem ser permitidos para irmãos que sofrem enfermidade pelo trabalho da casa subir durante os matinas com o acordo e permissão do Mestre ou dos que estão encarregados com este ofício. Mas eles deveriam dizer ao invés dos matinas treze paternosters, como é estabelecido acima, de tal forma que as palavras reflitam o coração. Davi assim disse: Psallite sapienter. Quer dizer: "Cante sabiamente". E em outro lugar o mesmo Davi disse: In conspectu Angelorum psallam tibi. Quer dizer: "Eu cantarei a você antes dos anjos". E deixe isto estar a toda hora à critério do Mestre ou dos que estão encarregados com este ofício.

Na vida comunal

34. Lê-se nas Sagradas Escrituras: Dividebatur singulis prout cuique opus erat. Quer dizer que para cada um era determinado de acordo com a necessidade dele. Por isto nós dizemos que nenhum deve ser elevado entre vocês, mas todos deveriam tomar cuidado dos doentes; e ele que está menos doente deveria agradecer a Deus e não deveria se aborrecer; e deixe quem é pior humilhar-se pela debilidade dele e não fique orgulhoso por piedade. Deste modo todo os membros viverão em paz. E nós proibimos qualquer um de abraçar abstinência excessiva; mas firmemente mantenha a vida comunal.

No Mestre

35. O Mestre pode dar a quem quer que o agradar o cavalo e armadura e tudo que do que gostar de outro irmão, e o irmão para quem a determinada coisa pertence não deveria ficar vexado ou bravo: pois esteja certo que se ele se chateia que ele irá contra Deus.

Em dar deliberação

36. Deixe só esses irmãos quem o Mestre sabe que darão sabedoria e conselho benéficos serem chamados ao conselho; para isto comandamos nós, e por nenhum modo todo o mundo deveria ser escolhido. Para quando acontecer que eles desejam tratar assuntos sérios como o dar de terra comunal, ou falar dos negócios da casa, ou receber um irmão, então se o Mestre deseja, é apropriado ajuntar a congregação inteira para ouvir o conselho do capítulo inteiro; e o que parecer melhor e mais benéfico Mestre, deixe-lhe fazê-lo.

Em Irmãos enviados ao ultramar

37. Irmãos que são enviados ao longo de países distantes do mundo devem esforçar-se para manter as ordens da Regra de acordo com suas habilidades e viver sem repreensão com respeito a carne e vinho etc. de forma que eles possam receber um bom relatório de estranhos e possam não se sujar através de ação ou palavras os preceitos da Ordem, e de forma que eles fixem um exemplo de trabalhos bons e sabedoria; acima de tudo de forma que os com quem eles se associem e cujas pousadas eles se hospedam possam ser dados com honra. E se possível, a casa onde eles dormem e se hospedam não deveria estar à noite sem luz, de forma que inimigos sombrios pode não os conduzir a maldade que Deus lhes proíbe.

Em manter a paz

38. Cada irmão deve assegurar que ele não incita outro irmão para a ira ou o enfurece, pois a clemência soberana de Deus mantém o irmão forte e fraco igual, em nome de caridade.

Como os Irmãos deveriam andar

39. Em ordem de levar a cabo os seus santos deveres e ganhar a glória da alegria do Senhor e para escapar do medo de inferno de fogo, está certo que todos os irmãos que são professados estritamente obedecem ao seu Mestre. Pois nada é mais querido a Jesus Cristo que a obediência. Pois assim que algo seja comandado pelo Mestre ou por quem o Mestre deu autoridade, deveria ser feito sem demora como se o próprio Cristo tenha comandado. Pois Jesus Cristo assim disse pela boca de Davi, e é verdade: Ob auditu auris obedivit mihi. Quer dizer: "Ele me obedeceu assim que ele me ouviu".

40. Por isto nós rezamos e firmemente comandamos os irmãos Cavaleiros que abandonaram os próprios seus testamentos e todos os outros que servem por um período fixo para não presumir sair da cidade sem a permissão do Mestre ou do que foi determinado tal ofício; exceto à noite para o Sepulcro e os lugares de oração que estão dentro das paredes da cidade de Jerusalém.

41. Lá, irmãos podem entrar em pares, mas caso contrário não pode sair de dia ou de noite; e quando eles pararem em uma pousada, irmão nem escudeiro nem sargento pode ir para outro hospedaria para ver ou falar a ele sem permissão, como é dito acima. Nós comandamos por consentimento comum isso nesta Ordem que é governada por Deus, nenhum irmão deveria lutar ou deveria descansar de acordo com o próprio desejo, mas de acordo com as ordens do Mestre, a quem deveriam submeter tudo, que eles podem seguir este pronunciamento de Jesus Cristo que disse: Non veni facere voluntatem meam, sed ejus que misit me, patris. Quer dizer: "Eu não vim cumprir meu próprio desejo, mas o desejo de meu pai que me enviou".

Como eles devem efetuar uma troca

42. Sem permissão do Mestre ou do que ocupe o ofício, não deixe nenhum irmão trocar uma coisa por outra, nem pergunte, a menos que seja uma coisa pequena ou insignificante.

Em fechaduras

43. Sem permissão do Mestre ou do que ocupe o ofício, não deixe nenhum irmão ter uma bolsa ou sacola com fechaduras; mas não estão incluídos os chefes de casas ou províncias e Mestres nisto. Sem o consentimento do Mestre ou do chefe dele, não deixe nenhum irmão ter cartas dos seus parentes ou de qualquer outra pessoa; mas se ele tem permissão, e se agrada o Mestre ou o chefe, as cartas podem ser lidas para ele.

Em presentes seculares

44. Se qualquer coisa que não possa ser conservada, como carne, é cedida a qualquer irmão por uma pessoa secular em agradecimento, ele deve apresentar isto ao Mestre ou ao Chefe de Alimentos. Mas se acontece que quaisquer dos amigos dele ou parentes tem algo que eles desejam só dar a ele, não lhe deixe levar isto sem a permissão do Mestre ou do exerce o ofício. Além disso, se é enviado ao irmão qualquer outra coisa pelos seus parentes, não lhe deixe levar isto sem a permissão do Mestre ou do que exerce o ofício. Nós não desejamos incluir os chefe ou bailios, que especialmente são encarregados para levar a cabo este ofício nesta regra acima mencionada.

Em faltas

45. Se qualquer irmão, ao falar ou servindo como soldado, ou de qualquer outro modo comete um pecado leve, ele deveria fazer conhecer de boa vontade a falta ao Mestre, para indenizar com um coração puro. E se ele normalmente não falha deste modo deixe-lhe ser dada uma pena leve, mas se a falta é muito séria deixe-o afastado da companhia dos irmãos de forma que ele não coma ou beba a qualquer mesa com eles, mas sozinho; e ele deveria submeter à clemência e juízo do Mestre e irmãos que ele pode ser salvo no Dia do Juízo.

Em faltas sérias

46. Acima de todas as coisas, nós deveríamos assegurar que nenhum irmão, poderoso ou não poderoso, forte ou fraco, que deseja se promover gradualmente e ficar orgulhoso e defender seu crime, permaneça impune. Mas se ele não deseja se reconciliar dê-lhe um castigo mais severo. E se através de orações de deliberação piedosas é dito a Deus por ele, e ele não deseja fazer indenizações, mas deseja ostentar cada vez mais, deixe-o ser erradicado do rebanho piedoso; de acordo com o apóstolo que diz: Auferte malum ex vobis. Quer dizer: "Remova o mau dentre vocês". É necessário para vocês remover a ovelha má da companhia de irmãos fiéis.

47. Além disso o Mestre que deveria manter em sua mão o cajado e a vara - o cajado com que sustenta as fraquezas e forças dos outros; a vara para bater os vícios desses que pecam Š para amor de justiça por deliberação do patriarca, deveria se preocupar em fazer isto. Mas também, como meu senhor São Máximo disse: "Possa a indulgência ser não maior que a falta; nem castigo excessivo cause o pecador a retornar a ações más".

Em rumor

48. Nós o comandamos através de deliberação divina evitar uma pestilência: inveja, rumor, ofensa, calúnia. Assim cada um se guardará zelosamente contra o que o apóstolo disse: Ne sis criminator et susurro in populo. Quer dizer: "Não acusa ou difama as pessoas de Deus". Mas quando um irmão sabe com certeza que o irmão da mesma categoria dele pecou, quietamente e com clemência fraternal deixe-o ser castigado reservadamente entre os dois, e se ele não deseja escutar, outro irmão deveria ser chamado, e se ele despreza ambos ele deveria retratar-se abertamente ante o capítulo inteiro. Esses que desacreditam outros sofrem de uma cegueira terrível e muitos estão cheio de grande aflição que eles não guardam contra inveja para outros; pelo qual eles serão mergulhados na antiga maldade do diabo.

Não deixe nenhum se orgulhar de suas faltas

49. Embora todas as palavras ociosas geralmente são conhecidas por serem pecaminosas, elas serão faladas por aqueles que se orgulham do próprio pecado ante o rígido juiz Jesus Cristo; que é demonstrado pelo que Davi disse: Obmutui et silui a bonis. Quer dizer que deve se abster de falar até mesmo o bem, e observar o silêncio. Igualmente a pessoa deveria guardar contra falar o mal para escapar da penalidade de pecar. Nós proibimos e firmemente proibimos para qualquer irmão que conte a outro irmão nem para qualquer outro as ações valentes que ele fez em vida secular, que deveria ser chamada de tolice tão cometida no desempenho de deveres cavalheirescos, e os prazeres da carne que ele teve com mulheres imorais; e se acontece que ele lhes ouve ser contado por outro irmão, ele deve silenciá-lo imediatamente; e se ele não pode fazê-lo, ele deve deixar aquele lugar imediatamente e não deve dar uma orelha do seu coração ao mascate de sujeira.

Não deixe nenhum perguntar

50. Este costume entre os outros nós lhe comandamos que adira estritamente e firmemente: que nenhum irmão deveria pedir o cavalo ou armadura de outro explicitamente. Será feito então desta maneira: se é conhecida a debilidade do irmão ou a debilidade dos seus animais ou a armadura dele tal que o irmão não pode sair para fazer o trabalho da casa sem dano, deixe-lhe ir para o Mestre, ou para o que está no lugar dele naquele ofício após o Mestre, e faça-o conhecer a situação em pura fé e verdadeira fraternidade, e daqui em diante permaneça à disposição do Mestre ou do que exerça este ofício.

Em animais e escudeiros

51. Cada irmão Cavaleiro pode ter três cavalos e nenhum mais sem a permissão do Mestre, por causa da grande pobreza que existe na atualidade na casa de Deus e do Templo de Salomão. A cada irmão Cavaleiro nós concedemos três cavalos e um escudeiro, e se aquele escudeiro serve a caridade de boa vontade, o irmão não o deveria bater para qualquer pecado que ele cometa.

Que nenhum Irmão possa ter uma rédea ornada

52. Nós proibimos totalmente para qualquer irmão ter ouro ou prata na sua rédea, nem nos estribos, nem nas esporas. Quer dizer, se ele os compra; mas se acontece que uma couraça é dada a ele em caridade que é tão velha que o ouro ou prata é manchada, que o resplendorosa beleza não é vista por outros nem os orgulha: então ele pode os ter. Mas se lhe é determinado equipamento novo deixe o Mestre lidar com isto como ele achar apropriado.

Em coberturas de lança

53. Não deixe nenhum irmão ter uma cobertura em seu escudo ou lança, porque não é nenhuma vantagem, pelo contrário nós entendemos que seria muito prejudicial.

Em bolsas de comida

54. Este comando que é estabelecido por nós é benéfico para todos manterem e por isto nós ordenamos que seja mantido daqui em diante, e que nenhum irmão possa fazer uma saco de comida de linho ou lã, principalmente, ou qualquer outra coisa menos um profinel.

Em caçar

55. Nós proibimos coletivamente para qualquer irmão que cace um pássaro com outro pássaro. Não é certo para um homem de religião sucumbir a prazeres, mas ouvir de boa vontade os mandamentos de Deus, estar freqüentemente em oração e cada dia confessar comovidamente a Deus em suas orações os pecados que cometeu. Nenhum irmão pode presumir em ir particularmente com um homem que caça um pássaro com outro. É bem certo para todo homem religioso simplesmente ir e com humildade sem rir ou falar muito, mas razoavelmente e sem elevar a voz e por isto nós especialmente comandamos para todos os irmãos que não entrem nos bosques com arcos longos ou arcos em cruz para caçar animais ou acompanhar qualquer um que assim faça, exceto para o salvar de pagãos incrédulos por amor. Nem você deveria perseguir cachorros, nem gritar ou tagarelar, nem esporeie um cavalo em desejo de capturar uma besta selvagem.

No leão

56. É a verdade que vocês especialmente estão encarregados com o dever de dar suas almas para seus irmãos, como fez Jesus Cristo, e de defender a terra dos pagãos não crentes que são os inimigos do filho da Virgem Maria. Esta acima mencionada proibição de caça por nenhum meios pretendeu incluir o leão, porque ele vem cercando e procurando o que ele pode devorar, as mãos dele contra todo homem e a mão de todo homem contra ele.

Como eles poder ter terras e homens

57. Este tipo de nova ordem que nós acreditamos que estava fora das Sagradas Escrituras e providência divina na Terra Santa do Jejum. Quer dizer que esta companhia armada de Cavaleiros pode matar as inimigas da cruz sem pecar. Por isto nós o julgamos ser chamamos de Cavaleiros do Templo justamente, com o duplo mérito e beleza de provação, e que vocês possam ter terras e manter os homens, vilarejos e campos e governá-los justamente, e leva seu direito a eles como especificamente é estabelecido.

Em Dízimos

58. Vocês que abandonaram as riquezas agradáveis deste mundo, nós acreditamos que têm se sujeitado de boa vontade para pobreza; então nós estamos certos que você que vive a vida comunal pode receber dízimos. Se o bispo do lugar, a quem o dízimo deveria ser feito através de direito, deseja distribuir isto a você de caridade, com o consentimento do capítulo dele pode dar esses dízimos que a Igreja possui. Além disso, se qualquer leigo mantém os dízimos do patrimônio dele, para o detrimento dele e contra a Igreja, e deseja os deixar para você, ele pode fazer assim com a permissão do prelado e do capítulo dele.

Em dar juízo

59. Nós sabemos, porque nós vimos isto, que perseguidores e as pessoas que gostam de disputas e empreendem a cruelmente atormentar aqueles fiéis à Igreja Santa e os seus amigos, está sem número. Pelo claro juízo de nosso conselho, comandamos que se há qualquer um nas partes do Oriente ou em qualquer lugar outro que pergunta qualquer coisa de você, para os homens fiéis e amor de verdade você deveria julgar a coisa, se a outra parte deseja permitir isto. Esta mesma ordem deveria ser mantida a toda hora quando algo é roubado de você.

Em Irmãos anciãos

60. Nós comandamos por deliberação piedosa que os irmãos fracos e velhos sejam honrados com diligência e determinada consideração de acordo com as suas debilidade; e, mantida pela autoridade da Regra nessas coisas que são necessárias ao bem-estar físico deles, devem de nenhuma maneira estar em angústia.

Em Irmãos doentes

61. Deixe aos irmãos doentes ser dada consideração e cuidado e serem servidos de acordo com a declaração do evangelista e Jesus Cristo: Infirmus fui et visitastis me. Quer dizer: "Eu estava doente e você foi me visitar"  e que não seja esquecido. Esses irmãos que são miseráveis devem ser tratados quietamente e com cuidado para cada serviço, levado a cabo sem vacilação, você ganhará o reino de céu. Então nós comandamos o enfermeiro a estudiosa e fielmente providenciar essas coisas que são necessárias aos vários irmãos doentes, como carne, polpa, aves e todas as outras comidas que trazem saúde boa, de acordo com os meios e a habilidade da casa.

Em Irmãos falecidos

62. Quando qualquer irmão passa da vida a morte, uma coisa da qual ninguém está isento, nós lhe comandamos que cante a missa para sua alma com um coração puro, e que tenha o ofício divino executado pelos padres que servem o rei soberano e você que serve a caridade por um período fixo e todos os irmãos que estão presentes aonde o corpo repousa e serve por um período fixo deveriam dizer cem pais nossos durante os próximos sete dias. E todos os irmãos que estão sob as ordens daquela casa onde o irmão faleceu deveriam dizer os cem pais nossos, como é dito acima, depois que a morte do irmão é conhecida, pela clemência de Deus. Também nós rezamos e comandamos por autoridade pastoral que um indigente seja alimentado com carne e entretido durante quarenta dias em memória do irmão morto, da mesma maneira como se ele estivesse vivo. Nós expressamente proibimos todos os outros oferecimentos que eram feitos à vontade e sem critério pelo Pobres Cavaleiros do Templo na morte de irmãos, no banquete de Páscoa e em outros banquetes.

63. Além disso, você deveria professar sua fé com uma noite e dia de coração puro para que você possa ser comparado a este respeito ao mais sábio de todos os profetas que disseram: Calicem salutaris accipiam. Quer dizer: "Eu tomarei o cálice da salvação". Que é: "Eu vingarei a morte de Jesus Cristo por minha morte. Pela mesma maneira que Jesus Cristo deu seu corpo para mim, eu estou da mesma maneira preparado a dar minha alma a meus irmãos". Este é um oferecimento satisfatório; um sacrifício vivente e muito agradável a Deus.

Nos padres e escreventes que servem a caridade

64. O todo da câmara dos comuns lhe comanda que faça todos os oferecimentos e todos os tipos de esmolas de qualquer maneira que podem ser dados, para os capelães e escreventes e para outros que permanecem em caridade por um período fixo. De acordo com a autoridade do Senhor Deus, os criados da Igreja podem ter só alimento e vestimentas, e não pode presumir ter qualquer outra coisa a menos que o Mestre deseje lhes distribuir de boa vontade qualquer coisa da caridade.

Em cavaleiros seculares

65. Esses que servem fora da piedade e permanecem com você por um período fixo são Cavaleiros da casa de Deus e do Templo de Salomão; então fora da piedade rezamos e finalmente comandamos que se durante a permanência dele o poder de Deus pegar qualquer um deles, por amor de Deus e fora de clemência fraterna, um indigente será alimentado durante sete dias por causa da sua alma, e cada irmão naquela casa deveria dizer trinta pais nossos.

Em cavaleiros seculares que servem por um período fixo

66. Nós comandamos todo o Cavaleiros seculares que desejam com um coração puro servir Jesus Cristo e a casa do Templo de Salomão por um período fixo para fielmente comprar um cavalo satisfatório e armas, e tudo o que será necessário para tal trabalho. Mais adiante, nós comandamos ambas as partes para pôr preço no cavalo e pôr o preço por escrito de forma que isto não seja esquecido; e deixe tudo que o Cavaleiro, o seu escudeiro e as necessidade da montaria, até mesmo ferraduras, seja distribuído da caridade fraternal de acordo com os meios da casa. Se, durante o período fixo, acontecer por casualidade que o cavalo morra no serviço da casa, se a casa puder dispor, o Mestre deveria substituí-lo. Se, ao término da sua posse, o Cavaleiro desejar retornar ao próprio país, ele deveria deixar para a casa, fora da caridade, metade do preço do cavalo, e o outro meio ele pode, se desejar, receber das esmolas da casa.

No compromisso de sargentos

67. Como os escudeiros e sargentos que desejam servir caridade na casa do Templo para a salvação das suas almas e por um período fixo vem de regiões distantes, parece-nos benéfico que as suas promessas sejam recebidas, de forma que o inimigo invejoso não ponha isto nos seus corações para arrepender ou renunciar as suas boas intenções.

Em mantos brancos

68. Por deliberação comum de todo o capítulo proibimos nós e ordenamos expulsão, por vício comum, de qualquer um que sem critério estava na casa de Deus e do Cavaleiros do Templo; também que os sargentos e escudeiros não deveriam ter hábitos brancos, cujo costume grande dano vinha causando para a casa; já que nas regiões além das montanhas falsos irmãos, homens casados e outros que disseram que eles eram os irmãos do Templo costumavam jurar que eram; enquanto eles eram do mundo. Eles trouxeram tanta vergonha para nós e dano à Ordem da Cavalaria que até os escudeiros deles ostentavam isto; por isto numerosos escândalos surgiram. Então os deixe assiduamente ser dada a veste negra; mas se estes não podem ser achados, deve ser dado o que estiver disponível naquela província; ou o que for menos caro, isso é, que forme rebarbas.

Em Irmãos casados

69. Se homens casados pedem ser admitidos à fraternidade, benefícios e devoções da casa, nós lhe permitimos os receber nas seguintes condições: que depois da morte deles eles lhes deixem uma parte das suas propriedade e tudo aquilo que eles obtiverem daqui em diante. Enquanto isso, eles devem conduzir vidas honradas e devem empreender agir bem para com os irmãos. Mas eles não deveriam usar hábitos brancos ou capotes; além disso, se o senhor morrer antes da senhora dele, os irmãos deveriam levar parte da propriedade dele e deveriam deixar para a senhora ficar com o resto para suportar durante a vida dela; porque não nos parece certo que tais confrades morem em uma casa com irmãos que prometeram castidade a Deus.

Em irmãs

70. A companhia de mulheres é uma coisa perigosa, pois por isto o velho diabo retirou muitos do caminho direto para o Paraíso. Daqui em diante, não deixe as senhoras serem admitido como irmãs na casa do Templo; isso é por que, muito queridos irmãos, daqui em diante não está certo seguir este costume, que a flor de castidade sempre é mantida entre vocês.

Não lhes deixe ter familiaridade com mulheres

71. Nós acreditamos que é uma coisa perigosa para qualquer religioso olhar muito na face de uma mulher. Por isto nenhum de vocês pode presumir beijar uma mulher, seja viúva, menina jovem, mãe, irmã, tia ou qualquer outra; e daqui em diante a Cavalaria de Jesus Cristo deveria evitar os abraços de mulheres pelas quais os homens têm a todo custo perecido muitas vezes, de forma que eles possam permanecer eternamente ante a face de Deus com uma pura consciência e vida segura.

Sendo padrinhos

72. Nós proibimos daqui em diante todos os irmãos que ousem criar crianças em cima do manancial e nenhum deveria estar envergonhado de recusar ser padrinho ou madrinha; esta vergonha traz mais glória que pecado.

Nas ordens

73. Todas as ordens que são mencionadas e são escritas acima nesta presente Regra estão a critério e juízo do Mestre.

Dias de banquete e jejuns que os Irmãos devem celebrar e observar

74. Que seja conhecido a todos os presentes e futuros irmãos do Templo que eles deveriam jejuar às vigílias dos doze apóstolos. Quer dizer: São Pedro e São Paulo; Santo André; São Thiago e São Filipe; São Tomás; São Bartolomeu; São Simão e Judas São Thiago; São Mateus. A vigília de São João Batista; a vigília da Ascensão e os dois dias antes, os dias de rogação; a vigília de Pentecostes; os dias de brasa; a vigília de São Laurence; a vigília de Nossa Senhora na meta de agosto; a vigília de Todos os Santos; a vigília de Epifânio. E eles deveriam jejuar em todos os dias acima mencionados de acordo com o mandamentos do Papa Inocêncio no conselho que aconteceu na cidade de Pisa. E se quaisquer dos dias de banquete acima mencionados cair em uma segunda-feira, eles deveriam jejuar no Sábado precedente. Se o nascimento de Nosso Senhor cair em uma sexta-feira, os irmãos deveriam comer carne em honra do festival. Mas eles deveriam jejuar no dia de banquete de São Marcos por causa do Litâni: porque é estabelecido por Roma para a mortalidade de homens. Porém, se cai durante a oitava da Páscoa, eles não deveriam jejuar.

Dias de Banquete que devem ser observados na casa do Templo

75. O nascimento de Nosso Senhor; o banquete de São Estevão; São João o Evangelista; os Santos Inocentes; o oitavo dia de Natal que é o Dia de ano novo; Epifania; Santa Maria Candlemas; São Matias o Apóstolo; a Proclamação de Nossa Senhora em março; A Páscoa e o três dias seguintes; São Jorge; Sãos Filipe e Tiago, dois apóstolos; o achado da Santa Cruz; a Ascensão de Nosso Senhor; Pentecostes e o dois dias seguintes; São João Batista; São Pedro e São Paulo, dois apóstolos; Santa Maria Madalena; São Tiago o Apóstolo; São Laurêncio; a Anunciação de Nossa Senhora; o nascimento de Nossa Senhora; a Exaltação da Santa Cruz; São Mateus o Apóstolo; São Miguel; São Simão e Judas; o banquete de Todos os Santos; São Martin no inverno; Santa Catarina no inverno; Santo André; São Nicolas no inverno; São Tomás o Apóstolo.

76. Nenhum dos menores banquetes deveria ser mantido pela casa do Templo. E nós desejamos e aconselhamos que isto seja estritamente mantido e aderido: que todos os irmãos do Templo deveriam jejuar no domingo antes de São Martin para o nascimento de Nosso Senhor, a menos que enfermidades os previnam. E se acontecer do banquete de São Martin cair em um domingo, os irmãos deveriam ficar sem carne no domingo precedente.
 
http://ritoegipto.blogspot.pt/
 

Memphis Misraim Pedras no caminho? - Fernando Pessoa

Fernando Pessoa
 (Lisboa, 13 de junho de 1888 - Lisboa, 30 de novembro de 1935)


"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos..
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

(Fernando Pessoa)



segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Memphis Misraim Neferhotep.

Os arqueólogos conhecem efectivamente a confraria de artesões situada na aldeia de Deir GR Médineh.
Para os homens da época esta localidade chamava-se Set-Maat o que significa “lugar da harmonia”.
 Esta confraria constituía um núcleo restrito composto de artesões muito qualificados. O arqueólogo Bernard Urze pensava que estes artesões formavam uma sociedade iniciadora.
Os artesões veneravam em especial o Deus PTAH, estavam ao serviço de SOKARIS. Procuravam a regeneração do ser.
A organização das equipas de trabalhos era semelhante à das tripulações de embarcações.
Os candidatos deviam, para ser admitidos, responderem à numerosas perguntas feitas por um supervisor. Esta prova permitia a passagem do profano ao consagrado.
Há muitas similitudes entre a F.°.M.°. e a vida iniciada desta comunidade: reuniões em salas com bancos situados ao longo das paredes, existência de graus na comunidade dos trabalhadores, assassinato de um mestre chamado Neferhotep.
E se a lenda do terceiro grau tivesse começado no Egipto?

http://ritoegipto.blogspot.pt/